sábado, 16 de fevereiro de 2013

Julgamos que a vida nos escapa e na realidade a vida é isso





Julgamos que a vida nos escapa e na realidade a vida é isso


Às vezes fico com a vista parada
─ por exemplo numa parede ─
durante um bom bocado. os olhos
deixam de ver por fora e o corpo
parece que não o sinto. Então
normalmente dou-me conta
(e não mo explico e espanto-me)
desta coisa estranha que é viver,
e faço-me perguntas que cortam
e o que sou concentra-se num ponto
e a única coisa que sinto é que eu
─ a voz que vive em mim e que me diz
isto e aquilo sem palavras ─
também serei menos um. Em breve.
Que tudo o que penso agora,
o que pensei e chegarei a pensar
há muito que não é nada.



Juan Miguel López
Poesia Espanhola, anos 90
Organização e trad. de Joaquim Manuel Magalhães
relógio d´água
2000


Sem comentários:

Enviar um comentário