sexta-feira, 4 de março de 2011

As mãos




As mãos

Que tristeza tão inútil essas mãos

que nem sequer são flores

que se dêem:

abertas são apenas abandono,

fechadas são pálpebras imensas

carregadas de sono.



Eugénio de Andrade

Sem comentários:

Enviar um comentário