terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Vento Sul



















Vento Sul

Despertei com o som

do zurzir vigoroso

nas vidraças do meu quarto.

O vento

vindo do sul

que se levantara na véspera

dedilha cadenciadamente

por entre gotículas

a poesia.

Pela escuridão

esvoaçam versos.

Um súbito ribombar

rasga os céus.

O pautado é iluminado

sem demover forças

ou intentos.



Florbela Ribeiro
®

1 comentário:

  1. A poesia que pode estar nas gotículas da chuva ou quando as palavras do poema batem nas vidraças.
    Bom poema.

    ResponderEliminar