quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

13 de Janeiro de 1992


























13 de Janeiro de 1992

Era a manhã fria e nebulosa,
Do segundo dia da semana.
Do minúsculo quarto hospitalar
Saía um contorcido gemido que,
Com a fronte afundada no travesseiro
Tentava abafar.
Estás a portar-te bem,
Disse-me a parteira com ternura
Mas o tempo passava e tu não surgias.
A agonia que me acompanhava de véspera
Não me dava tréguas.
É preciso acelerar se não desfalece
Disse a doutora por fim
Não reagi.
Não me encontrava ali.
Diante do Pai buscava o auxílio
Que chegou com a melodia balsâmica do teu choro.
O presente de Deus chegara por fim.
E foi nesse momento que,
Com o olhar transbordante de gratidão
E amor te doei o meu primeiro sorriso.

Florbela Ribeiro

Para o meu filho Tiago no dia do seu 18º Aniversário.

5 comentários:

  1. Maravilhoso texto resumindo um dia tão belo como é o de dar à luz um filho.
    Parabéns ao Tiago e aos Papás.
    Deus vos abençoe e guarde para sempre.
    Beijinho e um abraço de muito carinho da irmã
    Céu Vieira

    ResponderEliminar
  2. Obrigada Irmã Céu.
    Gostei muito do presente que me enviou por e-mail.
    Muitas bençãos de Deus
    Beijinhos e abraço ternurentos
    Florbela

    ResponderEliminar
  3. O romancista John Updike no último ano da sua vida(2008)escreveu uma série de poemas nos quais converteu as singularidades da vida em palavras. É legítima essa partilha do poeta com os outros, dos seus momentos tão pessoais. É o caso deste belo poema da Florbela.

    Ao princípio parece que vai sair um poema descritivo, e de certo modo é, mas carregado de Poesia, isto é, de Verdade poética. Os diálogos sugeridos, da parteira, da médica, o silêncio da Poeta («Não reagi./Não me encontrava ali»), dão o tom da emocionalidade controlada do momento. Depois, a vitória da Vida. Depois, o verso magistral com que finaliza o poema: «te doei o meu primeiro sorriso.»
    O sorriso que venceu a dor é o climax a que o poema ascencionalmente leva o leitor. Começa com a dor da parturiente e termina com a dádiva misteriosa de um choro e de um sorriso: a Vida.
    Gostei imenso e já o escrevi noutro local. Parabéns, Flor!

    ResponderEliminar
  4. Que texto mais lindo...!
    O filho também é muito lindo.
    Também nasci em 13 de Janeiro de 1992, para mim, é mais do que uma data de aniversário, é um dia que merece toda a reflexão de tudo o que há ao nosso redor.

    ResponderEliminar
  5. Lindo o texto, maravilhoso, é perfeito ver uma mãe traduzir seus sentimentos de tal forma. Também nasci no dia 13 de janeiro de 1992, é um dia muito importante para mim, para o seu filho e todos que nos amam. FELICIDADES!!!

    ResponderEliminar