quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Há um mar



Há um mar revolto de dúvidas

que me invadem.

Ondas gigantes onde a incerteza,

o medo e a ansiedade habitam.

Faço projectos para um amanhã

que não sei se virá.

Luto por sonhos impossíveis,

objectivos inatingíveis…

Saberei eu definir o quero?

Sim!

Só não sei como o atingir.

E é neste balanço da vida

constante e agonizante

que permaneço.

Dói-me o desgaste físico

muito mais o da alma.

Inicia-se um novo dia.

Permaneço aqui, em silêncio,

Escuto a canção do mar,

e respiro a sua fragrância

apenas com o olhar.

Sabes que sou mais pequena

que um grão de areia,

mais transparente

que a gota de orvalho,

e mais frágil que o cristal.

Mas é em ti Senhor,

que busco refúgio, força e paz

a cada novo amanhecer

na procura de respostas

que o amanhã, quem sabe trará!


Florbela Ribeiro A. S.

Sem comentários:

Enviar um comentário