sexta-feira, 28 de setembro de 2007

Trágico apetite


Trágico apetite



O apetite é o desejo, a vontade que possuímos de comer. Ter apetite é sentir fome, sendo isso, uma prova de que somos saudáveis.

Considero o apetite uma bênção de Deus, e a sua falta sinal de doença. Há pessoas que gastam muito dinheiro em consultas médicas e na aquisição de medicamentos, a fim de resolverem o seu problema de falta de apetite.

Porém, o que desejo falar neste artigo é de uma espécie de apetite a que dou o nome de trágico apetite.

Foi ao ler o livro do profeta Isaías que descobri estas palavras:”A sepultura aumentou o seu apetite, e abriu a sua boca desmesuradamente… “ (Isaías 5:14).

O profeta descreve aí uma autêntica tragédia.

O aumento de pessoas a morrer era invulgar. Indivíduos de todas as idades e camadas sociais desapareciam do número dos vivos.

Ele diz que a sepultura aumentou o seu apetite.

O referido texto bíblico mostra estar essa tragédia ligada às consequências de vícios, imoralidade, roubo, violência e outros males sociais como a embriaguez.

Ao ler esse passo das Escrituras Sagradas senti-me alertado para o momento actual.

Verificamos que a sepultura está igualmente com enorme apetite, e as mortes em número assustador aí estão (vejamos as estatísticas) a saciar esse abrir da boca cruel.

Não pode deixar de causar pasmo e angústia a todos quantos sabem o que sucede quando o indivíduo morre fisicamente.

A vida terrena é apenas a amostra da vida que passaremos a ter na eternidade.

Ou vivemos com Deus na Glória, ou passaremos sem Ele num lugar de sofrimento.

O cristão precisa saber desse apetite trágico para se precaver, agindo com prudência, cuidado e sabedoria.

É verdade que para os salvos a morte é ganho, é lucro, como afirma o apóstolo Paulo em Filipenses 1:21.

Deixamos este corpo e vamos imediatamente habitar com o Senhor, como ensinam as Escrituras em II Coríntios 5:8.

O texto bíblico de Apocalipse 14:13 comprova o facto de a morte ser um benefício para os filhos de Deus: “Bem-aventurados os mortos que desde agora morrem no Senhor (…), para que descansem do seus trabalhos, e as suas obras os sigam.”

Mas embora a morte não cause dano a uma pessoa salva e perdoada por Jesus, o mesmo já não se pode dizer da falta que faz na igreja e até a nível social um crente que morre fora de tempo.

Ficamos privados de preciosos valores e ministérios. O plano divino é que completemos a nossa existência e sejamos recolhidos como o trigo maduro (Job 5:26).

Satanás esta interessado em atrasar a edificação da Obra de Deus.

Deseja por isso privá-la de elementos que oram, que pregam, que contribuem, que resistem a todas as investidas prejudicais.

Este aumento de apetite da sepultura deve ser encarado com atenção pelos crentes, pois vivemos cercados de riscos e perigos que podem ceifar a nossa vida.

Notamos com tristeza que está a morrer gente a mais, e fora de tempo. Vivemos num século em que a ciência descobriu meios de ajudar a aumentar os dias da existência humana. A morte, contudo, tornou-se autêntica sanguessuga que não pára de pedir e de exigir: “DÁ, DÁ” (Provérbios 30:15).

Tenho perante mim um jornal diário que adquiri a pouco antes de escrever estas linhas, e que me informa que a horrorosa guerra travada entre o Irão e o Iraque causou nestes últimos dias muitos milhares de mortos, quase todos eles jovens.

O mesmo sucede no Líbano e noutras nações do mundo.

Revoluções internas em vários países ceifam inúmeras vidas, como no Afeganistão, Etiópia, etc.

Problemas sociais, raciais e até religiosos estão a ser aproveitados por extremistas que matam e levam outros a matar. O controlo nos aeroportos mostra a luta contra a violência e os assassinatos.

O crime organizado mata cada ano milhares de seres humanos.

O cancro não pára de ceifar vidas.

Agora a SIDA lança o pavor no mundo.

Os desastres de viação aumentam o número das mortes.

E que direi da bomba que os cientistas inventaram, cuja finalidade é matar os seres vivos, deixando contudo intactas todas as possessões, bens, riquezas, para depois serem desfrutadas pelos vencedores?

Toda esta onda de mortes vai continuar.

O apetite da sepultura não afrouxará até surgir uma guerra de tal amplitude que os cadáveres demorarão sete meses a enterrar (Ezequiel 39:12).

Podia mencionar os outros casos que também contribuem para causar mortes e saciar o seu apetite, como a fome, as drogas, as fugas de radioactividade, os terramotos, etc.

Este apetite é anormal porque algum poder encontra-se atrás de semelhante anormalidade.

Satanás tem o império da morte (Hebreus 2:14).

O Senhor fala dele como ladrão que vem para roubar, matar e destruir (João 10:10).

O diabo concentra as suas forças no sentido de levar o homem mais cedo possível à morte. Ele tenta o suicídio.

Quando Saul ficava possesso de um mau espírito, desejava matar-se, e acabou por suicidar-se. Lemos que satanás entrou em Judas, o qual se enforcou após haver traído Jesus (João 13:27 / Mateus 27:1-5).

O pensamento do suicídio é sugestão diabólica na mente do indivíduo no mau período da sua vida.

Isso explica porque pessoas que amam a vida e a família, de súbito põem termo à existência.

Isso acontece por possessão satânica ou momentânea doença mental.

Jovens que se suicidam por uma simples repreensão dos pais ou do professor, ou ainda por notas mais baixas no período escolar, só têm explicações em obra diabólica.

Mas por que o inimigo das nossas almas leva as pessoas ao suicídio?

Que lucro tem ele nisso?

Será por malvadez ou inveja do homem?

A razão é que enquanto o ser humano viver, o mesmo pode de um momento para o outro converter-se a Deus e ser salvo!

Satanás sabe que o pecado nos afasta de Deus, e também que o sangue de Cristo nos purifica de todo o pecado. Ele sabe que Jesus disse: “…morrereis no vosso pecado. Para onde eu vou não podeis vós vir” (João 8:21).

Então convém-lhe que o homem morra em pecado, em desobediência.

O suicídio, é apontado pelo diabo como a porta que acaba com o sofrimento, é a maior mentira que ele semeia entre as pessoas.

O arqui-inimigo das nossas almas está em grande actividade, pois sabe ser pouco o tempo que lhe resta.

Em breve (após a vinda de Jesus para buscar a igreja, é um período em que satanás dominará o mundo através do Líder mundial chamado Anticristo) o diabo será preso e finalmente lançado no Lago do Fogo.

Assim, ele aproveita bem o tempo, sendo necessário que o homem morra depressa.

Por isso os vícios, a que ele instiga as pessoas, são altamente perversos de modo a contrair doenças terríveis que matam mesmo, como a SIDA, e a provocarem a ira de Deus sobre o mundo.

Não cedas, amigo, a esses pensamentos derrotistas de suicídio.

Nada está perdido.

Deus ama-te, e, por intermédio do seu Filho Jesus, Ele dá “vida com abundância”



O importante não é morrer religiosos, mas convertido e perdoado por Jesus Cristo.

A morte é o fim das oportunidades de salvação.

Saiba morrer quem viver não soube – exorta-nos um famoso poeta português.

Saber morrer é antes e em vida, crer em Jesus, seguir a Jesus, amar Jesus.

Existe uma esperança gloriosa para se obter perdão.

Invoca com sinceridade a Jesus.

Alimenta a tua fé com Palavra de Deus.

Não tememos o apetite da sepultura se possuímos a salvação.

Mais forte do que a morte é Jesus, que morreu por nós e ressuscitou.

Ele promete que todo aquele que n’Ele crer não é condenado, mas tem a vida eterna.

A sepultura pode alimentar-se do nosso corpo se Cristo tardar, mas iremos habitar para sempre com o Senhor!

Aleluia!



(Pastor M. Moutinho / Agosto 1987)

Sem comentários:

Enviar um comentário