sexta-feira, 28 de setembro de 2007

O etíope e o leopardo


O etíope e o leopardo



Pode o etíope mudar a sua pele, ou o leopardo as suas manchas?



O profeta Jeremias usou estes exemplos para mostrar ao homem dos seus dias duas coisas:

1 - O estado dele aos olhos de Deus.

2 – A impossibilidade de, por ele mesmo, ou através dos seus recursos, alcançar a regeneração.

O povo vivia totalmente em desobediência e apostasia relativamente aos ensinos que bem conhecia.

Era então necessário que estas duras verdades lhe fossem ditas a fim de tomar a decisão certa e urgente, pois sabemos que o homem só decide agir, ou gritar, quando convencido do perigo e desgraça.

Isso mesmo precisa ser feito actualmente, porque o estado espiritual e moral do mundo é igual.

Todos somos pecadores e todos estamos destituídos da glória de Deus.

Por isso mesmo, o Evangelho tem de ser proclamado em todo o mundo e a todas as criaturas.

O apóstolo Paulo afirmou que o ministério dele como pregador, e de todos os que se dedicam a essa tarefa, é abrir os olhos aos perdidos e das trevas convertê-los à luz.

No dia de Pentecostes, foi ouvindo a pregação que o povo se apercebeu do seu estado e condenação clamando para Pedro e os demais apóstolos: “Que faremos, varões irmãos?”

Sabemos que satanás faz um tremendo esforço para que ao ser humano não resplandeça o Evangelho, a fim de que não se salve, crendo (II Coríntios 4:4).

As pessoas do tempo de Jeremias desculpavam-se com o ensino. Diziam que se estavam mal é porque haviam sido mal ensinados, querendo significar que a culpa não era sua, mas dos guias religiosos.

É exactamente isso que muitos hoje usam como defesa, desculpando-se com a tradição recebida, à qual têm procurado ser fiéis.

Com tais escusas pretendem fazer crer-nos que se alguém deve ser condenado por Deus, deverão ser todos quantos ministraram ensinos errados, e não aqueles que os aceitaram e seguiram com sinceridade durante toda a sua vida.

Com certeza que o ensino errado conduz as pessoas por caminhos errados, levando-os a bater a portas donde não vem resposta alguma, e a invocar nomes que não ouvem nem salvam.

Como, porém, todos possuímos consciência, temos de comparar com as Escrituras Sagradas aquilo que nos ensinam.

Veja-se Atos 17:11 ”Ora estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia as Escrituras se estas coisas eram assim.”

O profeta Jeremias levou o povo a compreender que necessitava de recorrer directamente a Deus, pois só Ele pode regenerar, transformar, salvar e perdoar o pecador.

Aquilo que o homem necessita jamais alcançará pelos próprios meios.

Como pôde Jeremias convencer os seus contemporâneos dessa realidade?

Usou duas ilustrações convincentes: Pode o etíope mudar a sua pele, ou o leopardo as suas manchas?”

A resposta só poderá ser não.

É isso mesmo que ele desejava ouvir, para logo de seguida os encaminhar para os braços d’Aquele que pode mudar o escuro e tirar as manchas.

Desejo acentuar que Jeremias ao valer-se destes exemplos, não está a elevar o homem de raça branca como sendo superior ao de raça escura.

Ele não pretende que o africano se envergonhe da sua raça, da cor da sua pele, ou se sinta inferior tal como não deseja chamar feras aos homens, comparando-os ao leopardo.

O que o profeta quer é ensinar uma impossibilidade tanto do etíope como do leopardo, mas que Deus pode resolver tanto uma como outra.

O etíope pode desejar ter uma pele branca, todavia de nada vale o seu desejo; nunca o conseguirá de facto.

Eis a grande verdade: pessoas de vida escura, negra, perversa, pecaminosa, que almejam regeneração, não podem por si mesmas salvar-se, embora seja urgente a sua salvação.

O leopardo nem sequer se preocupa com as suas manchas, visto não ter consciência para gostar ou para se envergonhar.

O leopardo representa um tipo de pessoas indiferentes ao seu estado e à sua eternidade.

Julgam que o seu destino esta marcado e que nada há a fazer.

Nasceram para ser escravos dos piores pecados e vícios, e a única coisa que fazem é resignar-se, é habituarem-se a sua sorte.

Mas Jeremias tinha tanto para os que desejavam ser diferentes e regenerados, como para os fatalistas e comodistas: uma mensagem de esperança.

Eis o que ele comunicava ao povo em nome de Deus: “Somente reconhece a tua iniquidade; que contar o Senhor teu Deus transgrediste (…) e que não deste ouvidos à minha voz, diz o Senhor. Convertei-vos, ó filhos rebeldes (…), e eu vos tomarei” (Jeremias 3:13-14).

Para o homem actual esta mesma verdade reside nos Evangelhos.

Por esse facto somos responsabilizados pelo Senhor Jesus a comunicar às pessoas, a esses pecadores angustiados, que existe solução no Salvador.

Para os que têm uma vida escura, negra, da pior espécie moral, eis o que está escrito na Bíblia Sagrada: “Vinde então, e arguí-me, diz o Senhor: ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve… ” (Isaías 1:18).

Esta mensagem pode chegar às mãos de adultos ou jovens, os quais pensam já não haver solução para as suas vidas.

Talvez mesmo esteja a ser lida num cárcere por alguém è espera de uma pesada pena.

O Senhor Jesus Cristo, contudo, pode transformar o negro da vida dessa pessoa!

Aos que nem sequer se preocupam com as manchas, pecados e vícios, porque encontram-se como que adormecidos para as consequências de viverem e morrerem sem Deus; aos que não desejam mudar, pretendemos acordar a sua consciência e dizer-lhes que para todas as suas manchas existe solução.

A solução não é a penitência, as obras de caridade ou o fogo no Purgatório que só o Catolicismo Romano descobriu, visto a Bíblia não mencionar semelhante lugar.

A resposta para as suas manchas está no texto Sagrado: “o sangue de Jesus Cristo, Filho de Deus, nos purifica de todo o pecado”.

A Palavra de Deus declara que se confessarmos os nossos pecados ao Senhor, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda a injustiça.

Perante estas verdades divinas, exortamos o amigo a não desesperar, a usar a sua fé, a clamar a Deus de forma directa, pois a resposta virá ao seu coração.

É infalivelmente a mesma resposta que Jesus dava aos pecadores de então que O buscavam.

Ele dizia: “Vai em paz; os teus pecados estão perdoados!”

O apóstolo Paulo considerava-se o principal dos pecadores, pondo-o o Senhor Jesus como exemplo. E se Cristo salvou esse blasfemo, perseguidor e rebelde, pode também salvar todos quantos crêem n’Ele.

Nenhum pecador como o etíope ou o leopardo poderá remir a sua própria alam ou tirar um só pecado que seja, mas o Senhor Jesus Cristo pode, porque Ele é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo.

O amigo deseja ter a sua vida limpa?

Quer ser salvo?

Pare então de tentar isso por si mesmo.

Arrependa-se dos seus pecados, creia em Jesus, e, pela fé, poderá cantar como nós:

ALVO MAIS QUE A NEVE!

ALVO MAIS QUE A NEVE!

SIM NESSE SANGUE LAVADO

MAIS ALVO QUE A NEVE SEREI!



(Pastor M. Moutinho / Maio 1992)

Sem comentários:

Enviar um comentário